terça-feira, 17 de novembro de 2009


Uma das coisas que mais me revolta e sinto falta.
Revolta por que ninguém tem a moral de parar pra conversar com quem tem sempre algo pra dizer.
Revolta daquelas que não quero corrigir em mim ou pregar para os outros.
Sei que não posso e nem devo se quer pedir pra qualquer um ou todos pararem pra conversar, mas eu gosto e o que mais me revolta é quem tenta mudar e me podar quando quero uma conversa sincera ou só uma filosofia rápida.
Sinto falta das idéias que eu trocava ou só das coisas que eu escutava quando alguém tinha alguma coisa pra me dizer, mesmo que fosse um súbito protesto do preço da cerveja.
Todo mundo acha que a cada aproximação é só dinheiro pra bebida e reclamação da vida.
Hunf! Quantas vezes que fui parada pra dividir uma bebida pra celebrar á vida.
Quantas vezes que eles me salvaram de mim mesma com um conselho solto, um abraço apertado ou elogio barato.
Poetas dos asfaltos, me fazem tanta falta...
Geralmente são os mais corajosos e sábios entre a maioria.
Já conheci cada um nessa minha vida, um falava francês, outro entendia de matemática, outro tinha vindo do pará e encontrou jesus na cachacinha e agora quer voltar pra sua terra, entre tantas outras histórias...
Quase todos vem chegando falando polonês e quando se vai levando a sério a postura muda, o português domina a conversa e me dou conta de que muitos deles poderiam dar palestras por aí ou só aula de etiqueta pra alguns conhecidos meus.
Não to querendo com isso divulgar nenhuma campanha humanitária, é mais um bem pessoal.
Só me deixa enjoada fotos como essa em álbuns engraçadinhos de playbozinho descolado com legenda nada criativas em orkut por aí, enfim...
Está foto me pediu um texto, não sei se eu o fiz a altura da importância que é merecida, mas tentei traduzir o melhor que pude o sentimento que tenho com as lembranças das conversas e celebrações que essa foto me remeteu.
Vai ver que a carente sou eu, se for - sempre sou muito bem ouvida ou ouvinte quando preciso.
E ao escrever me deu saudades dos poetas urbanos e do poeta Andrade.
Imagino que talvez que a atenção que o Carlos D. Andrade tenha sido uma das maiores que a maioria recebe por aí.
E pensar nisso vejo que é uma das coisas que mais me revolta e sinto falta.

Um comentário:

dmi.s.k disse...

E verdade essas pessoas tem mais a passar do que muitas que sao estudadas por ai infelizmente por o mundo tem um grande contraste social =\ realmente e revoltante
Ps:adoro ler seus textos continue ^^