domingo, 17 de janeiro de 2010

Era uma vez, um príncipe e uma princesa...


A princesa conheceu seu príncipe em uma destas festas típicas de fevereiro.
O príncipe e a princesa não se completavam, eram um só... eram iguais.
Gostavam das mesmas festas e cálices... eles até que se gostavam...
Faziam planos de irem juntos para o reino muito, muito distante e viverem felizes para sempre
Acontece que eles moravam em terras distantes.
A distancia não diminuía o amor, mas aumentava as diferenças.
O príncipe era muito rebelde, tinha um discurso digno de platéia, uma vontade de mudar o mundo, mas não pensava na possibilidade de mudar o seu jardim e muito menos suas idéias... a princesa se apaixonou por tudo isso...
Eles se conheceram quando ela pensava, discursava como o príncipe e não fazia nada, como ele.
Ele achava a princesa muito bonita e inteligente, gostava dos defeitos perfeitos dela, fez até ela jurar certa vez em sua carruagem que ficassem juntos pra sempre... ela sorriu e jurou de todo o coração...ele gostava de ver ela sorrir...
Todos do reino, inclusive os bobos, apostavam que juntos eles ficariam...
Um dia a princesa foi ao encontro do primo do príncipe acreditando que lá encontraria o amor de sua vida, ele não estava...
O príncipe sempre foi muito preguiçoso, e lá ela ficou a beber com o primo do príncipe, perdeu a noção e acabou confundindo a imagem do nobre amigo do primo com o seu príncipe e cedeu aos encantos, quando o nobre a soltou ela suspirou e ao abrir os olhos viu que de seu príncipe não tinha nada, se pôs a chorar e foi-se embora.
Chegando ao reino, falou com sua dama de companhia que lhe recomendou contar a verdade para o príncipe, antes que ele soubesse por terceiros...
Infelizmente ela o fez.
Mandou-lhe uma carta e disse tudo, tudo o que não deveria...
Ela não pediu desculpas, não disse que o amava, mas ficou tão claro na carta que estava aflita e que se arrependia, o problema que ela deu ao entender as desculpas e que o amava, mas não disse...
A princesa era dura, era daquelas que todo mundo sabe que ela ama, inclusive ela, mas prefere viver na ilusão de que a sua é a única companhia indispensável...
Pobre princesa privou-se do choro, dos dias mais incríveis da sua juventude, por medo...
A princesa era medrosa e o príncipe burro.
Ele não tinha a menor sensibilidade, fingiu que ficaria tudo bem, mas não ficou, não até ele se vingar, e cativar a filha do padeiro, que era muito bonita, mas não era a sua princesa...
Depois dos defeitos reais dos príncipes irreais, a princesa deu uma festa em seu castelo e o príncipe apareceu...
A princesa mal queria saber do príncipe, e poi-se a beber...
Bebeu e viu no príncipe um nobre, mas quando ela abriu os olhos e viu que não era largou o príncipe que então seguiu para seu reinado em sua carruagem com seus súditos e amigos.
Depois de alguns dias chega uma correspondência, a princesa responde...
Mais por falta de ocupação do que paixão e se diverte, e até sente falta das juras que ficariam juntos por toda a sua existência, as jura que já não existem...
O príncipe tenta conter-se, mas deixar escapar uma jura ou outra
A princesa tenta conter-se, mas acredita em uma jura ou outra
O Reino da princesa passa por algumas crises que não permitem mais a comunicação com o príncipe, o nobre ou qualquer outro.
A princesa então resolve se por a ler as cartas do príncipe e a lembrar das suas...
E então, ela nota que o que os separou foi a mudança.
A princesa muda como a estação, só que mais vezes por ano...
A princesa é muito indecisa, mal sabe o que quer...
Faz planos os quais o príncipe sempre está... Está à espera dela terminar o seu para viver o seu próprio.
Princesa egoista!
Ela gosta dos sonhos dele, mas já não sabe se são os dela.
Ele sonha em ter uma vida tranqüila, sonha os sonhos que juntos eles sonhavam.
Ela quer conhecer outros reinos e até participar de um espetáculo do qual estão acostumados a ver... ela quer participar...
Ela quer coisas das quais o príncipe não quer nem saber.
Todos acham que ela abriria mão das viagens a reinos distantes, caso ele resolva passar mais algumas vezes em seu reino, a princesa não concorda muito com isso...
Ele reclama que ela não vai ao seu reino.
Ela não vai.
Ela muda.
Ele não.
A princesa mudou por culpa do príncipe, e ele não gosta muito disso...
Ele gosta é da velha princesa
A princesa gosta da nova, mas também gosta do príncipe que é um só.
Ela só não sabe se é por falta de comunicação somada a nostalgia, ou se pelo numero de escolhas que ela tem.
Ele a mesma coisa.
Tão vaidosos esses príncipes e princesas dos reinos de hoje. Esses dois são com toda a certeza.
Ele não acredita no amor dela e odeia seu próprio amor.
Ela ama o amor dele e não suporta a idéia de viver sem seu amor próprio.
Assim deu-se o fim.

7 comentários:

manu.mota disse...

Nossa! Sensacional seu blog, está nos meus favoritos. Adorei este texto em especial, e também um outro que você colocou há um tempo atrás mas apagou, sobre a parte amante e a amada de uma relação. Muito talentosa você, garota. Sucesso! Beijos.

Andrea disse...

caramba...
se fosse ilustrado seria publicado!

dmi.s.k disse...

muitoooooo bom adorei vc ee muito boa com as palavras ^^
bjs

Renata Augusta Fiamini disse...

Jesus, que belas palavra querida, esse texto é divino ... aliais como todos os seus ... rsss

beijoss

Fernando Thadeu disse...

Quer ser minha princesa???

Ana =) disse...

Eu quero! rs

Luan S'd Almeida !!! TRI-HEXA disse...

Jesus, estupendo garota!
vc tem um talento magnífico, algo emblemático

um tesouro qe ainda resta ser lapidado , com sua suavidade e um toque de paixão você alcançará as estrelas !

é de encher os olhos !
sucesso